Edital Receita Federal: Auditor Fiscal e Analista

Edital Receita Federal 2014: último concurso

Em 2014, a organizadora foi a ESAF, conhecida por apresentar surpresas em provas, ainda mais para os concursos da Receita Federal, com questões com contextos nunca antes abordados, sendo sempre classificada como uma prova muito difícil e com uma nota de corte considerada baixa. Vale mencionar que no concurso de 2012 o último aprovado teve um escore de apenas 60% na prova, número pouco expressivo quando comparado a concursos de outras bancas.

O edital da Receita Federal no concurso de 2014, para o cargo de auditor fiscal, foi bastante enxuto, várias matérias foram retiradas, e a extensão do conteúdo foi menor que a apresentada em concursos anteriores. A prova dissertativa, inclusive, foi no mesmo final da prova objetiva.

Como estudar para a Receita Federal

Existem maneiras distintas de preparação adequada para o Concurso de Auditor Fiscal da Receita Federal, a mais trabalhosa é estudar todas as normas expedidas pela CMV mais as resoluções do Conselho Federal de Contabilidade, o que demandaria talvez um tempo aproximado de 5 meses para sua total averiguação.

Uma forma mais rápida é por meio da resolução de questões de concursos anteriores, porém, o ideal é que não sejam levadas em considerações questões de provas que ocorreram há demasiado tempo, como por exemplo, do concurso realizado no ano 2000. O recomendável é estudar provas mais atuais, mesmo que de outra organizadora que não a próxima, pois os assuntos abordados em concursos, independente da banca, são os mesmos.

Nos últimos concursos da Receita Federal, as questões discursivas passaram a ter um papel muito importante, determinantes na aprovação dos candidatos e na localidade em que estes irão atuar com base em sua classificação.

Para questões discursivas, não basta apenas o candidato ter conhecimento acerca da teoria, mas também da prática e de como os procedimentos são aplicados, e o que deverá ser feito, por exemplo, em casos onde houver irregularidades. Em seu estudo, o candidato poderá imaginar situações e investigar como seria a resolução para estas, dessa forma é desenvolvido um raciocínio sobre a matéria.

Estudar por livros?

É claro que livros devem estar inclusos, principalmente para as disciplinas do ciclo básico, que caem em todos os concursos da área fiscal, mas não para todas as disciplinas. Salienta-se que é fundamental que os candidatos tenham amplo conhecimento nessas matérias básicas, já que na maior parte dos casos, serão essas as responsáveis pelas aprovações, e acertando 90% ou mais em cada uma delas, poderão ser compensados erros cometidos em outras disciplinas específicas, como por exemplo, Microeconomia e Contabilidade Avançada.

As matérias básicas compreendem Língua Portuguesa, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Contabilidade Geral, Matemática Financeira e Raciocínio Lógico, matéria de línguas (inglês ou espanhol, no caso da Receita Federal).

>> Clique aqui para conferir os melhores livros para o Concurso da Receita Federal <<

Estudar por vídeo aulas?

Alguns cursos em vídeo aulas têm tremenda excelência e tradição na preparação para a Receita Federal. Vídeo aulas de questões comentadas também podem ser úteis, e são indicadas para casos onde o candidato já cumpriu sua rotina diária de estudos, podendo ser vistas de uma forma mais relaxada, com o candidato respondendo as questões, e depois analisando a solução proposta pelo professor. Vídeo aulas também são indicadas para as matérias mais complicadas.

Estudar por apostilas?

Apostilas são geralmente resumidas, e são mais indicadas para concursos de nível médio, apesar de que podem ser muito úteis para candidatos que tenham pouca bagagem das disciplinas da área fiscal.

>> Clique aqui para conferir as melhores apostilas para o Concurso da Receita Federal <<

Fazer cursos na modalidade pacotão?

Os famosos pacotões valem a pena principalmente para candidatos iniciantes ou que disponham de mais tempo para a sua preparação, esses pacotes servem principalmente para se construir um alicerce, porém, para matérias esparsas, como Contabilidade Avançada e Microeconomia, é fundamental optar também por cursos isolados.

>> Clique aqui para conferir os melhores cursos para o Concurso da Receita Federal <<

Estudar por PDFs?

Os cursos vendidos em PDF normalmente contam com uma aula zero, é interessante que o candidato analise essa aula, e veja se está dentro daquilo que espera. Vale mencionar que muitos professores fazem uso de desenhos, mapas mentais, entre outros, então é interessante que o candidato analise se esse tipo de material se adéqua ao seu perfil.

Utilizar programa de questões?

É interessante assinar um programa de questões, que separe as questões por ano, banca e assunto, e também dê a opção de salvar as respostas, e obter o percentual de acertos, além de disponibilizar uma aba para comentar cada questão.

Quantas questões treinar por matéria?

Obviamente não há um número fixo de questões a se treinar por matéria, porém, alguns aprovados em concursos anteriores relatam que fizeram em média mais de 1500 questões por matéria, e contam que no dia da prova, parecia que até mesmo já haviam lido anteriormente as questões, tamanha a familiaridade com a forma com que os exercícios são cobrados.

O que estudar para a Receita Federal?

Legislação aduaneira

Essa é considerada uma disciplina difícil, inicialmente deve-se entender a lógica da legislação aduaneira por meio do estudo da teoria, em seguida partir para a resolução de questões comentadas, para assim saber em cada questão o porquê de cada alternativa estar errada ou certa. Além disso, é muito importante se acostumar a ler a literalidade do regulamento aduaneiro, que é o que em verdade é normalmente pedido em provas, além de dar atenção especial à jurisprudência do STF, regimes aduaneiros especiais e infrações aduaneiras.

Comércio Internacional

Essa é considerada uma matéria mais simples do que em relação à legislação aduaneira, e seus assuntos principais são OMC e Mercosul.

Constituição Federal, CTN e Principais Leis

O indicado é que se reserve 30 minutos diários para a leitura da Constituição Federal e do CTN, e que se leia toda a Constituição Federal e o CTN 1 vez por mês. É também indicado que as questões sejam resolvidas sempre com a Constituição do lado, para eventualmente verificar os erros cometidos.

Raciocínio Lógico

O conteúdo de Raciocínio Lógico e Matemática para a Receita Federal normalmente é extenso, pois abrange também álgebra, trigonometria e análise combinatória. É indicado que o candidato estude as questões das últimas provas a partir de concursos realizados em 2006, pois a partir deste, as questões adquiriram um grau de complexidade sensivelmente maior.

Alguns assuntos com grande incidência nas provas são lógica qualitativa, Princípio de Pombal, Princípio da Regressão, entre outros. É interessante mencionar que as bancas ESAF e CESPE-Unb têm enfoques bastante distinto entre si nas questões de raciocínio de lógico.

Auditoria

Alguns dos tópicos considerados mais importantes do programa se referem ao planejamento de auditoria, que é onde o auditor irá traçar sua estratégia, além de como e onde serão aplicados os procedimentos de auditoria, sendo estes o substantivo, a observância e os procedimentos básicos, além da amostragem, papéis de trabalho, eventos subsequentes e parecer dos auditores.

Apesar de cada candidato ter seu ritmo de estudo, é indicado que o estudo da disciplina de auditoria seja realizado pelo menos 1h por dia, sendo fundamental também responder questões acerca dessa disciplina. O indicado é que o estudo da disciplina de auditoria seja ainda dividido em módulos.

A prática de escolher um determinado período para estudar apenas essa disciplina não é recomendada, visto que por conta da matéria ser muito teórica, se vista de forma rápida e condensada, o candidato poderá, em um curto espaço de tempo, esquecer pontos fundamentais.

Um dos diferenciais desse concurso é em relação às questões discursivas, vale mencionar que os temas abordados serão os mesmos tanto para as questões objetivas, como para as discursivas.

Se a disciplina de auditoria for abordada numa questão discursiva, é importante que o candidato esteja a par dos procedimentos práticos de como está é realizada, por exemplo, se a questão se referir ao saldo total de contas que uma determinada instituição tem a receber, para responder a questão o candidato poderá ilustrar esse tema com o exemplo de uma empresa que tenha um determinado total de contas a receber e os procedimentos que deverão ser aplicados para cada caso, utilizando, por exemplo, o teste da inspeção, investigação por meio de uma circularização, com a emissão de cartas para esses clientes, para assim poder confirmar se na data do balanço realmente constavam tais débitos.

Em resumo, em questões discursivas, deve-se explicar de que maneira devem ser aplicadas as metodologias de interesse, e o parecer do auditor no seu transcurso de seus trabalhos de auditoria, ou seja, o que ele deverá colocar em casos com e sem ressalva. Dessa forma não basta saber apenas sobre a prática de auditoria, mas também sobre contabilidade.

Vale dizer, que quando questões de auditoria são cobradas para o cargo de analista tributário, elas geralmente são mais simplificadas do que as que figuram para o cargo de auditor fiscal, tendo uma abordagem mais direta e ligada à norma.

Não há comentários

Deixe uma resposta